Terreno Comum / Serralves em Festa!

Serralves em Festa 2014! Está aí a 11.ª edição de 40h sem parar na cidade do Porto… numa festa que é um hino às artes e à cultura.

O Serralves em Festa 2014 acontece já este fim-de-semana, dias 31 de maio e 1 de junho. Nesta 11ª edição voltam a abrir-se os portões de Serralves, durante 40 horas sem parar, para receber muitos, mas muitos visitantes. Serralves em Festa é um evento que reúne artistas nacionais e nomes oriundos de todo o mundo que marcam as artes performativas dos nossos dias; Serralves em Festa tornou-se, nos últimos dez anos, um dos maiores eventos culturais da cidade do Porto e é já ponto de passagem obrigatório para dezenas de milhares de pessoas. Entre as 8h00 da manhã de sábado e a meia-noite de domingo, o público do Serralves em Festa vai poder ver e ouvir música, dança, teatro, performance e circo contemporâneo, visitar as exposições do Museu de Arte Contemporânea, abertas durante as quarenta horas do evento, e ainda ver cinema, vídeo, fotografia e participar em inúmeros workshops que fazem a Festa e lhe atribuem uma dimensão festiva sem par e mobilizadora de públicos de todas as idades.

Os Destaques para 2014:
Dança Contemporânea – estreia “Pindorama”, da coreógrafa brasileira Lia Rodrigues, uma peça de dança meditativa e crítica sobre a condição humana e a sua capacidade de resistência; e “Sediela” – o novo trabalho coreográfico e musical realizado por Marina Nabais e Simão Costa, concebido sobre uma superfície bidimensional instalada no Parque de Serralves.
Performance – coreógrafos Desnorte com a peça “Several” de Vera Mota; grupo Sintoma, da Faculdade de Belas Artes, um conjunto de performances realizadas por este coletivo de artistas e pelo grupo Manifesto AND, e performance participativa do coletivo And_Lab (Lisboa), propõe uma reflexão sobre diversos movimentos sociais e reivindicativos.
Circo Contemporâneo – a peça Smashed, da Companhia Gandini Jugling, uma oportunidade para assistir a uma proposta inesquecível de reinvenção da arte do Malabarismo; distinguem-se ainda as estreias das peças de trapézio e de teatro físico Bainha, da companhia do Porto Erva Daninha e Projeto Secreto, da também portuense Radar.
Teatro – presença da Vagalume Teatro com a peça de teatro de máscaras “Agitación Senil”, uma proposta de referência desta companhia de teatro de rua, da Andaluzia.

E como a música faz parte da espinha dorsal desta festa, para além das atividades que se desenrolam no Parque e das exposições no Museu, a Festa no Prado promete animar com eletro-rock de espírito punk dos Duchess Says e das batidas maquinais do pós-rave dos Factory Floor. Os Octa Push abrem esta festa com a energia dos seus sons de eletrónica de dança com afrobeat, será uma noite a ir até de madrugada, com DJs convidados. Mas há mais.  Serralves desafiou o jovem músico e compositor Tiago Sousa a criar uma nova peça para os ainda mais jovens alunos de várias escolas de ensino profissional de música da região da Beira Interior, que integram a orquestra de guitarras Guitarrafonia. Enquanto território de experimentação, Serralves oferece ainda a possibilidade de imersão numa pequena floresta de objetos e sons inspirada pelo trabalho de David Tudor, “Rainforest”. Matt Rogalsky e cinco artistas nacionais ocuparão o rés-do-chão da Casa de Serralves com esta instalação que se prolongará para além dos dois dias da Festa. Histórica é também a big band de Sun Ra, a sua Arkestra, agora dirigida por Marshall Allen, continua a manter vivo o espaço tão particular que a música de Sun Ra abriu, no mundo jazz. Entre os vários momentos para o final de mais uma Festa, o som e a imagem vão misturar-se de uma forma muito especial em Gravity Hill, que une os temas e improvisações de três músicos que têm animado as franjas mais livres do rock: Guy Picciotto, Jim White e George Xylouris, às imagens que o realizador norte-americano Jem Cohen seleciona em tempo real a partir da sua importante filmografia.

Nos workshops o destaque recai na Oficina Arara (Porto) – estúdio dedicado à prática da serigrafia organizará no Parque de Serralves uma oficina de máscaras e delineará um espaço labiríntico que ganhará forma através da participação de todos os visitantes.

E Serralves vai extravasar além portões. Como nas edições anteriores, Serralves em Festa acolhe a participação da comunidade local e nacional, estabelece parcerias com outras entidades culturais, sociais, educativas e artísticas da cidade do Porto e do país. Na Baixa da cidade serão apresentados os projetos Biométricos da Companhia Visões Úteis; Track, do encenador e artista visual Graeme Miller; e VA AA LR dos compositores/performers Vasco Alves, Adam Asnan e Louie Rice. O programa pretende assim reunir, na mesma cidade, um projeto teatral de reflexão sobre o esforço no trabalho, na criação artística e no desporto (materializado em vários percursos maratonistas propostos em áreas da cidade com diferentes topografias); um projeto viajante e sensorial de observação da arquitetura e da paisagem de uma rua histórica do Porto; e uma instalação sonora móvel e um concerto para tochas de sinalização que tem como principal objetivo explorar as propriedades acústicas deste material, contrapondo a sua principal função de sinalização visual.

E tanto fica por dizer… mas nada que não esteja no link abaixo, no programa detalhado. Vamos até Serralves? •

+ Serralves

 

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.