“Café Curto” / Convento São Francisco

A Blue House, em colaboração com o Município de Coimbra e o Convento São Francisco (CSF), apresenta o alinhamento do ciclo de showcases “CAFÉ CURTO” para o mês de junho, dando assim continuidade à curadoria de diversos espectáculos, no café-concerto do CSF. O elixir perfeito para um final de tarde, depois de um dia de trabalho.

Para o mês de junho, que se inicia amanhã, a Blue House propõe um conjunto de cinco showcases de 30 minutos, maioritariamente apresentados por músicos sediados em Coimbra, mas que também piscam o olho a Alcobaça e ao Brasil (radicado na cidade Invicta). Um alinhamento onde é clara uma aposta centrada em jovens artistas, projectos musicais criados recentemente e apresentações de novos trabalhos, dando assim oportunidade aos músicos de mostrarem um pouco do seu trabalho à cidade de Coimbra. A entrada é gratuita, sem reserva, limitada à lotação do espaço. Com o nosso destaque para Luca Argel – com quem tivemos um super bate-papo que pode reler aqui – eis o programa de Café Curto para a sua agenda de junho:

01/06, 19h00RISKO + GUINÉ & CONVIDADOS
Risko chega-nos como uma atitude perante o desconhecido, o enfrentar do medo e o arriscar, o superar os limites das nossas capacidades para chegar a perspectivas diferentes, que se identifiquem mutuamente. Após o seu trabalho “Palavra de Risko” o rapper e produtor de Silves funde-se com o produtor e rapper Gonçalo Guiné, tirando tempo dos seus laboratórios de loops para apresentar um showcase no qual irão apresentar produções instrumentais, assim como algumas faixas clássicas dos seus repertórios, com uma especial homenagem a Gheorghe Zamfir.

08/06, 19h00MR GALLINI
Mr. Gallini, nascido em Pisões, e a quem os pais deram o nome Bruno Monteiro, começou no universo rock enquanto baterista de outros irmãos da mesma região (da sua Alcobaça): os Stone Dead, com os quais já percorreu palcos Portugal fora. Sem esquecer a casa-mãe, mas procurando também encontrar o seu próprio espaço enquanto artista a solo, Gallini editou em 2018 “Lovely Demos”, o seu álbum de estreia, e apresenta agora o seu sucessor – que é, também, o segundo tomo de uma trilogia anteriormente anunciada. “The Organist”, mostra um lado mais pop, seguindo um método sempre rock (refrões, juventude, electricidade…), mas deixando espaço para que outras ferramentas mais eletrónicas (teclados, theremins e vocoders…) possam também respirar, num álbum que bebe tanto à brit-pop dos anos 1990, como à space era dos anos 1950, mas que soa bem atual.

15/06, 19h00 LUCA ARGEL
Depois de um viciante álbum “Conversa de Fila” (2019), um disco de crítica urbana, com q.b. de ironia e humor, num samba que nos deixou presos à sua musicalidade, Luca Argel editou, no passado mês de fevereiro, o seu 4.º álbum – “Samba de Guerrilha” – que é um Samba Opera absolutamente irrepreensível. Samba Opera, um braço da Rock Opera popularizada por Peter Townshend (The Who) com “Tommy” (1969). Um conceito obrigatório que muitos conhecem, provavelmente, sem saber. Neste seu mais recente trabalho discográfico, temos histórias que intercalam músicas com personagens vários; canções que interligadas contam uma história. Uma narrativa consistente. Narrativa que foca o homem e seus conflitos. Um trabalho a várias mãos e vozes. “Samba de Guerrilha” é música e é uma viagem na história do Brasil de Luca que é impreterível conhecer e fazer.

22/06, 19h00MEU BEM
Meu Bem é o projeto pessoal de Alberto Ferraz, guitarrista de From Atomic (com quem conversámos aqui), que nos intervalos de outras bandas, vai compondo em casa, músicas que lhe saem da alma. Em 2012, faz uma das suas primeiras incursões na composição em português e encontra na voz de Vera, a sua cara metade, o veículo perfeito para cantarem num projecto em conjunto. As músicas e letras espelham os seus gostos musicais, mas mais que tudo, a sua união. Dizem, em tom de brincadeira, que são os Broa de Mel da música alternativa. Depois de terem estado perto de editarem, em 2016, as suas músicas, a vida a dois trocou-lhes as voltas e decidiram adiar o álbum para dar espaço ao nascimento da sua segunda filha. O ano de 2020, com uma pandemia que nos forçou todos ao confinamento, foi para Meu Bem um ano de muitas mudanças, pelo que decidiram retomar a atividade e dar a Meu Bem a oportunidade que sempre sonharam: trazer ao público o seu projecto musical, a dois.

29/06, 19h00BLACK BOX
Black Box nascem em julho de 2020, pela mão de Afonso Quelhas e fizeram a sua primeira residência na Fábrica da Criatividade, em Castelo Branco. O grupo é formado por Afonso Quelhas (trombone), Guilherme Fortunato (guitarra elétrica), Tomás Longo (vibrafone), José Jorge (baixo elétrico), e Ricardo Brito (bateria) –  com uma sonoridade eclética, própria da música de fusão.

Tudo a não perder, em Coimbra, no Convento São Francisco.
Abrace a (ainda +) segura Cultura! •

+ Risko + Guiné & Convidados
+ Mr Gallini
Luca Argel – Bandcamp
+ Meu Bem
+ Black Box
© Fotografia de destaque: Luca Argel por Kristallenia Batziou.

Já recebe a Mutante por e-mail? Subscreva aqui.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.