Quatro anos depois, eis que chega São Domingos Grande Reserva tinto 2017

À Baga, casta típica da região da Bairrada, Susana Pinho acrescentou a francesa Merlot e a portuguesa Touriga Nacional. As uvas foram seleccionadas a dedo. O vinho da Caves do Solar de São Domingos é perfeito para os dias frios que teimam em querer ficar.

Os solos predominados pelas areia e a argila, a influência marítima, devido à proximidade do Atlântico, e as variedade de uva tinta seleccionadas – Baga, Merlot e Touriga Nacional, neste caso – são os factores determinantes na feitura de um vinho. Segundo César Almeida, responsável pela equipa de viticultura da Caves do Solar de São Domingos, produtor da região vitivinícola da Bairrada, o respeito pela natureza, o facto de se conhecer as castas e a realização da vindima na altura certa são “o primeiro passo para um vinho de qualidade”.

Susana Pinho, enóloga desta casa bairradina, refere o potencial das uvas de cada casta e o cuidado que tiveram na vindima de 2017, ano em que a Caves do Solar de São Domingos celebrou 80 anos. “O nosso objectivo é, todos os anos, fazermos um grande vinho”, confessa, sem deixar para trás a utilização “da barrica certa, com a tosta correcta” na feitura deste São Domingos Grande Reserva tinto 2017 (75ml €85; 150 ml €170). “O tempo em garrafa foi generoso”, factor determinante na descoberta de “que seria um grande vinho, um grande reserva, que honrasse a região [da Bairrada]!

Resultado? É um vinho cujos taninos estão macios, com notas de frutos vermelhos presentes a somar a nuances de chocolate e de alguma especiaria. Estes atributos comprovam que a apresentação deste tinto acontece na altura certa, já que é perfeito para acompanhar pratos quentes, para comer em dias frios, como as carne de forno e a carne vermelha grelhada. Brindemos!

+ Caves do Solar de São Domingos

© Fotografia: João Pedro Rato

Já recebe a Mutante por e-mail? Subscreva aqui.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.