“Migrations – travel diaries #2” / Birds are Indie

Em abril de 2020, aquele estranho abril do nosso primeiro confinamento, era editado “Migrations – travel diaries #1” dos conimbricenses Birds are Indie. Era uma lufada de ar fresco e um respirar de normalidade em tempos tão estranhos que se viviam. Com a saída do álbum, o trio de Coimbra anunciava que, se os tempos adversos que se viviam permitissem, ainda em 2020 seria lançado o vinyl, o segundo capítulo dos seus travel diaries. Mas a pandemia trocou-lhes o tempo, deu-lhes imprevistos e manteve-os em espera, até agora. Eis que chega, neste outubro de 2021, “Migrations – travel diaries #2”.

“Migrations – The travel diaries #2” dos Birds are Indie, tal como “Migrations – The travel diaries #1”, chega-nos com o selo de confiança da incansável Lux Records. Este é o segundo de dois volumes distintos. Relembramos que o #1 chegou-nos em CD – editado a dia 17 de abril de 2020 – e foi o motivo mais que perfeito para desafiar, novamente, os Birds are Indie para um novo tête-à-tête com a Mutante que pode reler aqui.

Este segundo volume, em vinyl, viu a sua edição adiada para 2021 e entre incertezas e adiamentos está finalmente aqui para nos encher os ouvidos e a alma com as suas melodias de ritmo cada vez mais viciante. Em ambos os formatos temos, como anunciado e prometido, cinco canções da discografia anterior revisitadas, reinterpretadas e regravadas.
Porém, e tal como dissemos aquando do volume 1, a música é matéria que lhes corre nas veias e lhes cobre as lustrosas penas, e há também lugar para mais dez músicas inteiramente novas, estando cinco delas no CD e outras cinco neste novíssimo vinyl.
Para que não fique com dúvidas no Lado A tudo começa com “I’m gonna leave you all behind” para revisitarmos “If only” que nos leva a “The ultimate” para a ouvirmos a renovada “Instead of watching telly” e terminarmos com o primeiro single retirado deste vinyl “Our last waltz“. O Lado B arranca com o êxito que andou a dominar, semanas consecutivas, o Top da Antena 3, falamos claro de “Black (or the art of letting go)” que nos conduz para o clássico birdiano “The place“, segue-se “Nedless to say” que hipnotiza sempre e que nos leva para a nova “Break down“, e… tudo termina com a incontornável “We’re not coming down” aqui com uma nova e cativante imagem sonora.

Um conjunto de dez canções cuja identidade é inegavelmente birdiana, com todas as suas inevitáveis influências, sem necessidade de testes de ADN.
Nas canções revisitadas sentimos a evolução natural do trio que se sabe reinventar na sua própria música e nas novíssimas canções a maturidade de quem já anda nas lides da cena musical há uns bons pares de anos.
Dois diários bem heterogéneos que se completam na mouche e os torna, ainda e cada vez mais, obrigatórios na música independente!

“Migrations – The travel diaries #2”, tal como o primeiro volume, conta com a mistura e masterização de João Rui (a Jigsaw) e todas as músicas contaram, mais uma vez, com a participação do convidado super-especial Jorri Silva (a Jigsaw) que também colaborou na gravação. A liderar todo este processo esteve, como habitualmente, Henrique Toscano; o mesmo sucedeu no artwork e design, saídos da mão de Joana Corker.

A acrescentar a este segundo volume – e para vos acicatar a terem o vosso o mais rápido possível – “Migrations – travel diaries #2” é edição numerada e limitada a 100 unidades por cada cor: os pretos estarão apenas à venda na fantástica Lucky Lux, os rosas estarão em breve noutras lojas do país e os brancos serão vendidos pela banda por correio e nos concertos.

Depois de há mais de um ano terem visto a sua digressão por Espanha que os levaria até Itália cancelada, infortúnios de uma pandemia global, finalmente conseguiram marcar um regresso além fronteiras, neste caso apenas no país vizinho. Vai ser assim, este desejado regresso aqui ao lado:
02/11, 21h00 – Asklepios, Valladolid
03/11, 22h30 – Cafe Teatro Bajo 5, O Barco de Valdeorras
04/11, 21h30 – Club Clavicémbalo, Lugo
05/11, 20h00 – El Cercano, Ourense
06/11, 21h30 – Kominsky, Vigo
19/11, 21h30 – Status Arena, Lousã

E se no dia 03 de dezembro estiver por terras de Coimbra, reserve a data pois este bando de pássaros vai tocar no Salão Brazil, num evento que lhes é muito especial e tão próximo do coração: o 3.º aniversário da Blue House. Para este concerto em especial, eles prometem mais detalhes, para breve, nas plataformas digitais onde têm ninhos.

Um vinyl para ouvir e reouvir de fio a pavio, de A para B e vice versa. Concertos a não perder. •

+ Birds are Indie
© Fotografia: Birds are Indie.

Já recebe a Mutante por e-mail? Subscreva aqui.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.