Di Amici, para quem gosta de pizza. E a massa? Há com algas!

Está em Portugal desde 2010. Desde então, não tem parado. Chama-se Rodovan Obucina, veio de Sarajevo e é pizzaiolo. Desde Janeiro que conta com o apoio chef Pedro Mendes. Tudo por causa do vegetal marinho.


A constante vontade de experimentar levou Rodovan Obucina – pizzaiolo por formação e vocação – a querer fazer diferente e o destino fê-lo cruzar-se com o chef Pedro Mendes, defensor acérrimo da utilização das algas na cozinha. “Lembrei-me de utilizar as algas na massa, para fazer um produto diferenciador. Achei que era uma coisa que se encaixava aqui”, conta este último, que, desde o início deste ano, dá apoio técnico no Di Amici, a pizzaria do nosso anfitrião.


“Sempre estive ligado à gestão, mas faço pizzas há muito tempo”, conta Rodovan Obucina, que, já em Sarajevo, trabalhara numa pizzaria, onde aprendeu todos os passo com uma senhora, mestre desta arte. Hoje, na Di Amici, recorre ao fermento natural – a chamada “massa mãe” – para fazer a massa de fermentação curta – com duas horas de duração, na primeira fase, e seis horas na segunda. O resultado traduz-se numa pizza de massa fina e estaladiça nas pontas, servida à mesa da Di Amici, no n.º 107, da Calçada da Ajuda, também na capital portuguesa, onde outrora fora o À Justa, da chef Justa Nobre.


“Trabalho exclusivamente com produtos italianos”, declara o anfitrião, dando o queijo Mozzarella, a farinha e os enchidos como exemplo, à excepção dos frescos. “O molho de tomate é feito na casa” e, quando está finalizada, a pizza é colocada no forno a lenha instalado atrás do balcão do Di Amici. “Foi feito em Nápoles, com pedra vulcânica”, no interior. O revestimentos exterior é em cobre. “Fica 60 segundos no forno, que está entre os 280 °C e os 380 °C.” Terminada a contagem do tempo, a pizza é retirada, finalizada e servida.


A constante vontade de experimentar levou Rodovan Obucina a querer fazer diferente. “Lembrei-me de utilizar as algas na massa, para fazer um produto diferenciador. Achei que era uma coisa que se encaixava aqui”, conta o chef Pedro Mendes, que está a dar apoio técnico na cozinha do pizzaiolo. Assim, “nasce” a pizza cuja massa inclui algas, bem como a massa com tinta de choco, duas novas sugestões que já constam na ementa do Di Amici.


Recomendações? O pão de alho macio e delicioso e a viciante manteiga de algas, bem como a tagliatelle de algas e o linguini nero, feitos em casa e cozinhados al dente, como deve ser. As pizzas diavola, com salame picante, é divinal, e a novidade, em que a massa tem algas e é decorada com Mozzarella, tomate-cereja, rúcula e algas são e incluir no pedido. Feitas as apresentações, que tal escolher um bom vinho italiano, para harmonizar?


Rodovan Obucina dedica-se ainda às sobremesas. “Aprendi tudo em casa, durante a pandemia”, revela. E aprendeu bem! O tiramisú, de creme mais espesso e mais fofo, é “de comer e chorar por mais”, e o cannoli siciliano, pequenos e finos canudos recheados com creme de Ricotta e pistacio, são uma peridção. O pizzaiolo sugere que acompanhe o café no Di Amici, o ponto de encontro para quem gosta de pizza a sério. 

Bom apetite!


+ Di Amici
© Fotografia: João Pedro Rato

Já recebe a Mutante por e-mail? Subscreva aqui.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.