Goya e “Contra el bien general”

Foi nos inícios do século XIX, enquanto Napoleão também derramava sobre a Europa à lei da espada os valores da Revolução Francesa, que Goya congeminou os seus e os nossos “Desastres da Guerra”. 

Em cada tempo preciso existe sempre tudo, que se encaixa em planos diferenciados e coexistentes. Podemos afirmar que os tópicos de cada tempo correspondem a uma hiper-realidade identificável, hoje, como há cem anos, através da uniformização e da mesmidade, da tirania do Mesmo, correlativa da imposição ou indução de modos de vida que obstam à experiência concreta, do indivíduo.

A esta última podemos chamar, agora, hipo-realidade: o indivíduo, pese embora a palavra “liberdade” se pronuncie como mantra contemporâneo, está sepultado nos escombros da brutalidade hiper-real. O Mesmo, como Emmanuel Levinas por exemplo o explica, é quem está no Mundo como se a Terra se apresentasse familiar em todo o lado, cujos recursos pudessem ser, e são, integralmente usados em benefício pessoal. 

Enquanto isto: as palavras perdem os seus referentes efetivos e elevam-se à categoria de agentes da mesmidade. Quando Goya gravou os “Desastres da Guerra” fixou nesta proposta com o número 71 uma criatura, certamente de fábula, mas que sintetiza visualmente a maldade: umas asas de morcego, pese embora as qualidades que o animal possa apresentar, sempre indiciaram ambientes e horizontes que no senso comum se consideram funestos.

E é assim, também, que “Contra el bien general” passa a mostrar-nos numa alegoria visual o plano maléfico de, estou convicta, metade da humanidade. É incrível como a violência atinge sem dó nem piedade o cerne do órgão interior do humano que se responsabiliza pela reflexão, tornando-o ainda tendencialmente insensível. E, todavia, afigura-se sempre necessário testemunhar o tempo em que vivemos, sem com ele estabelecermos os compromissos vergonhosos da anuência. 

A época contemporânea deu-nos uns valores universais, que podemos considerar terem sido ideais em marcha, digamos assim: logo à cabeça encarnados por Napoleão, mais o seu cavalo branco, composto em que Hegel descortinou a encarnação da totalidade ideal. Escusado será dizer que tais valores se colocaram ao serviço de atrocidades, muitas delas hoje com contas a prestar pela Europa em demanda de povos espoliados.

Por outro lado, a substituição dos valores universais pelos interesses particulares não nos encaminha para nada de bom, nem tampouco devemos orientar-nos por uma moral de ferro. Mais uma vez recordo Emmanuel Levinas, quando afirma que o pensamento, mormente o filosófico, deve misturar-se com as preocupações da hora, assim como a palavra é sempre dirigida. 

Emmanuel Levinas é, para mim, um filósofo e pensador fulcral que não compreendi logo, mas do qual não desisti porque intuía algo de muito importante no que nos propõe, bem sintetizado num mandamento que o rosto do Outro profere: “Não matarás”. Creio que consegui alcançar o cerne das suas preocupações; contudo, ao longo dos anos constatei em diversas ocasiões a incompreensão que se lhe dirige, tanto patente na dificuldade em apreender o bem e a bondade enquanto pressupostos de organização social, como através de testemunhos de pessoas que me afirmaram precisamente nunca terem entendido quais os problemas que o ocupavam.

E o que Goya nos demonstra com os “Desastres da Guerra” é, antes de mais, o absurdo da guerra; mas, hoje, estamos sitiados por dialética ininterrupta que pretende averiguar da utilidade, da pertinência, do sentido, da guerra. Em face da crença numa progressão geométrica dos valores associados à democracia, a guerra deveria ser interdita: então, resta-nos concluir que a aritmética está errada, ou antes, que metade do mundo nesta Terra permanece “Contra el bien general”, como Goya bem viu na sua gravura número 71 da série “Desastres da Guerra”.

Já recebe a Mutante por e-mail? Subscreva aqui.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.