NO COPO, TABLE 0

Baga em Trás-os-Montes? Sim e em vinho numa garrafeira perto de si

Quis o acaso que, em 2012, António Boal plantasse aquela que se diz ser a casta rainha da Bairrada na sua vinha da Quinta dos Távoras, em Mirandela, propriedade-berço de vinhas velhas de Alicante Bouschet deste produtor que não pára de surpreender a comunidade enófila do país.


Palácio dos Távoras Parcela CB Baga 2016 marca a estreia de um vinho feito a partir da referida casta tinta na Região Demarcada de Trás-os-Montes


É comum ouvir-se que a Baga é da Bairrada. Porém, na apresentação de dois vinhos da Costa Boal Family Estates, Paulo Nunes, enólogo da casa, esclareceu: “se formos à origem, segundo alguns estudos, a Baga nasceu no Dão”. Proveniências à parte, o certo é que esta casta tinta utilizada na feitura do Palácio dos Távoras Parcela CB Baga 2016 (€20) – disponível em 1200 garrafas numeradas – foi plantada pelo produtor, António Boal, na sua Quinta dos Távoras, localizada no planalto de Mirandela. Trata-se, portanto, de uma vinha nova e este “primeiro lançamento em quatro anos” marca a estreia de um vinho feito a partir de Baga na Região Demarcada de Trás-os-Montes,segundo o produtor e herdeiro de uma família de pequenos produtores vitivinícolas estabelecidos, desde 1857, no Douro. “Vai ser uma pedra no charco, porque ninguém imagina um vinho Baga em Trás-os-Montes”, continua Paulo Nunes.

A existência desta variedade de uva nesta propriedade vinhateira deve-se a um percalço no cálculo do número de plantas necessárias na plantação de uma vinha, em 2012, de Touriga Nacional. Face a este contratempo, e porque o viveirista tinha apenas bacelos de Baga, António Boal decidiu avançar com esta variedade de uva. O solo argiloso desta parcela, a que foi atribuído o nome da filha, Carolina Boal – na altura com cinco ou seis anos –, foi o factor determinante para a sua plantação, já que contribui para a qualidade dos vinhos feitos a partir desta casta, tal como acontece na Região Demarcada da Biarrada. É por esta razão que a designação Parcela CB consta no rótulo desta referência vínica. O clima é, contrapartida, diferente, uma vez que a região transmontana é mais quente durante o Verão. Apesar disso, “preserva a frescura muito típica da casta”, assegura o enólogo.


Palácio dos Távoras Vinhas Velhas Grande Reserva Alicante Bouschet 2017 representa um legado a preservar para as gerações vindouras da família Costa Boal


Na passagem para o Palácio dos Távoras Vinhas Velhas Grande Reserva Alicante Bouschet 2017 (€30) – também disponível em 1200 garrafas numeradas –, Paulo Nunes enaltece o património vitivinícola da Quinta dos Távoras, destacando as vinhas velhas desta casta. “Com este legado [da família dos Távoras] marquei a diferença”, reforça António Boal, acrescentando o facto de estas vinhas não serem submetidas a tratamentos. “É um património da humanidade”, acrescenta o enólogo, que realça, ainda, a transversalidade da Alicante Bouschet no país, bem como a potencial de guarda deste vinho.

Além destes dois monovarietais, o ano de 2020 reserva, ainda, outras duas boas novas – Palácio dos Távoras Vinhas Velhas branco 2018 e Palácio dos Távoras Vinhas Velhas tinto 2016 –, uma colheita de 2017 feito a partir das castas tintas Tinto Cão e Sousão da colheita de 2017, e um branco de 2015. A adir a “pequenos ensaios” realizados pela dupla António Boal e Paulo Nunes, mas cujos resultados não podem ser revelados para já.

A Costa Boal Family Estates foi fundada, em 2009, por António Boal. Volvidos dois anos, apresentou os primeiros rótulos daa região de Trás-os-Montes: Flor do Tua e Palácio dos Távoras. Ao mesmo tempo, comprou a Quinta do Vale de Mouro, em Vila Nova de Foz Côa, distrito da Guarda, e investiu na recuperação da adega da família, na Quinta do Sobredo, em Vila de Maçada, no concelho de Alijó, distrito de Vila Real. Ao património vinícola, juntou a Quinta dos Tojais, localizada também em Cabêda. Actualmente, reúne cinco propriedades vinhateiras – a Quinta do Vale de Mouro, a Quinta do Sobredo, a Quinta dos Tojais, a Quinta da Pia, em Porrais, no concelho de Murça, distrito de Vila Real, e a Quinta dos Távoras – e pequenas vinhas, como a histórica localizada em Miranda do Douro. Quanto ao portefólio vínico, este é representado pelas referências Flor do Côa, Flor do Tua, Quinta dos Távoras, Palácio dos Távoras e Costa Boal.



+ Costa Boal


Fotografia: © João Pedro Rato

Já recebe a Mutante por e-mail? Subscreva aqui.

You Might Also Like

No Comments

Leave a reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.