Em concerto: David Allred

Se lhe falta programa para o último fim-de-semana do mês, em Coimbra… Eis uma sugestão, pela mão da Lugar Comum: David Allred. Uma estreia nacional com data única de um dos novos músicos a figurar no catálogo da editora Erased Tapes e que levará o seu registo “The Transition” até Coimbra, apresentando-o na sala do Centro de Artes Visuais (CAV).

Nomes como Nils Frahm, Ólafur Arnalds, Peter Broderick ou Douglas Dare têm vindo, ao longo dos últimos anos, a definir o perfil da editora Erased Tapes. Tendo no piano uma âncora, num constante diálogo com os diversos segmentos da electrónica, o trabalho destes e de outros compositores pertencentes aos quadros da editora britânica confunde-se com a identidade desta, conferindo-lhe a consistência e coerência artística que raros projectos alcançaram.

À semelhança do que aconteceu no passado, alguns destes músicos não só gravam pela Erased Tapes como, através de uma multiplicidade de colaborações, têm-se revelado instrumentais ao aparecimento e acolhimento nas suas fileiras de novos compositores. Tal foi o caso do californiano David Allred, engenheiro de som e músico de sessão, que tendo trabalhado, entre outros, com Chantal Acda e Heather Woods Broderick, acabou por ser desafiado por Peter Broderick a acompanhá-lo em algumas datas europeias e, posteriormente, a participar da colectânea “1+1=X”, aquando da celebração do décimo aniversário da Erased Tapes.

O passo seguinte, contando sempre com a curadoria de Broderick, acabaria por resultar na gravação de um primeiro disco, editado em Novembro de 2018 pela label britânica. Intitulado ‘The Transition’, tem como pano de fundo as experiências vividas pelo norte-americano quando trabalhava num lar de idosos, confrontado com a efemeridade da vida e o desconhecimento do que se encontra para além dela. Tendo por base o piano e o baixo, seus instrumentos de eleição, ao longo de 10 faixas, o californiano constrói aos 26 anos um álbum de rara maturidade. Referências ao imaginário de David Lynch ou a narrativas recolhidas aquando da sua anterior ocupação, povoam as composições de Allred, conferindo-lhes um elemento de storytelling que não se encontra em alguns dos seus pares.

A relação entre a Lugar Comum e a Erased Tapes remonta a uma primeira passagem de Peter Broderick por Coimbra, corria o ano de 2009, fazendo-se acompanhar então por um ainda relativamente desconhecido berlinense que testava as primeiras composições ao piano. Nils Frahm havia de regressar um ano volvido, na companhia de Heather Woods Broderick. Posteriormente, em 2014 e 2016, foi a vez de Peter e Heather, uma vez mais passarem por Coimbra para apresentarem novos lançamentos. Recentemente, em 2017, coube a Douglas Dare acrescentar mais um capítulo memorável a esta longa relação.”

Assim, é natural que a Lugar Comum dê início à sua programação deste 2019, levando até ao palco do CAV, no próximo dia 26 de Janeiro pelas 22h00 (não se atrase, que chegar tarde é muito mainstream, seja irreverente!), o norte-americano David Allred, o qual apresentará ao público o muito antecipado e acima referenciado “The Transition”.

Dada a lotação limitada da sala, a reserva de lugar é aconselhada e pode ser efectuada mediante o envio de e-mail para lugarcomum.pt@gmail.com (indicando nome completo e número de documento de identificação para posterior confirmação). As entradas reservadas deverão ser levantadas na data e local do concerto, entre as 21h30 e as 21h50, sob pena de perderem o seu efeito.

A colocar na agenda. A não perder. •

+ CAV
+ Lugar Comum
+ David Allred
© Fotografia: David Allred, DR.

Já recebe a Mutante por e-mail? Subscreva aqui.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.