Coimbra B / m|i|mo, Leiria

O m|i|mo – museu da imagem em movimento, em Leiria, prepara-se para inaugurar uma nova exposição de fotografia: “Coimbra B”, de Bruno Silva, com curadoria de Estefânia r..

A inauguração de “Coimbra B” tem data agendada para o próximo dia 15 de julho, às 16h00, e estará patente até ao dia 08 de outubro. Da apresentação da exposição, chegam-nos estas palavras de Mafalda Ruão:

NESSA COIMBRA FRAGMENTADA
Diz-se que a vida é uma passagem. Somos seres em permanente mutação, pautados por relações ora estabelecidas, ora quebradas, resultado de eternas chegadas e partidas.

Em Portugal, onde o trânsito decorre grandemente entre Porto e Lisboa, Coimbra encontra-se a meio caminho, fácil e imediatamente imaginada como cidade de contacto transitório, superficial.

Toda a moeda tem dois lados – o lado A e o lado B. Coimbra é-nos contada pelo primeiro, o lado nobre onde o A é de academia, da alta, dos arcos. A explosão da vida universitária, do prestígio de ser doutor, das serenatas à chuva no adro da Sé; uma vida que reflete o fulgor de um lume que depressa emerge e depressa se extingue. Todavia, para quem a vive profundamente, a entrada é feita pelo outro lado. Os pés pisam a plataforma de coimbra-b, a estação de comboios que pulsa ao som da vívida campainha, a primeira face da cidade que nos recebe e a última a despedir-se de nós. Daí até ao centro vão viagens
múltiplas pelo B de baixa, cujo bilhete se circunscreve a quem é despertada a curiosidade e a ousadia de se abrir à imprevisibilidade das ruelas ziguezagueantes a meia luz.

Apercebemo-nos então que nos é vendida apenas uma fração de Coimbra. Coimbra fragmentada. A euforia contagiante dos desfiles académicos e da imponente Universidade é coisa lapidada que serve bem aos livros e às letras. Fantasias dos cartões-postais que registam a visita fugaz do turista. Não é mentira, mas faltam capítulos nesta narrativa.

Alguém, que todos conhecemos, uma vez disse “a cidade está deserta e alguém escreveu o nosso nome em toda a parte”. Esta é a melhor manifestação da melancolia, na qual Coimbra materializa a vida passada.

Nesse banco onde me sentei enquanto rias à janela ousando saltar ao telhado, atrás do qual a fenda no estuque persiste em forma de trovão. Naquela casa onde jurei que o papel de parede era o mais bonito que já vi, o rasgão aumenta timidamente e ninguém o repara. O graffiti ao subir da rua incentiva-nos à mesma revolta. A calçada para quem desce continua escorregadia, melhor agarrar os amigos, ao atravessar. Hoje sei: quer se esteja à distância ou próximo, comprovamos que o tempo passou apenas por nós. E o prazer da descoberta é um impulso viciante, para dele depressa restar a sensação agridoce da perda. Está tudo como dantes, mas as pessoas foram-se. A leviandade da cidade é maior do que todos nós e a fugacidade dói.

Ficamos assim, entre o enamoramento frágil e a dureza triste da realidade. Se há coisa que não se define, nem se suspende no tempo em Coimbra, é o sentimento. Só se acumula, cada vez mais pesado, nostálgico.

É amor-ódio personificado. Para nos lembrar que a saudade que cravamos no peito desta cidade também é “uma doença quando nela julgamos ver a nossa cura”.

Coimbra-b não é um trabalho romântico. É a verdade que nos persegue e persiste, a de que a vivemos em dois tempos, e apenas quando afastados entendemos que carregávamos a ideia volátil de que voltaríamos, sem nunca nos fixar. Afinal nenhum lugar terá jamais o potencial de nos fazer apaixonar facilmente sem sofrimento. O que não nos atinge, não toca. O que não nos toca, não fica. É assim Coimbra, mas podia ser qualquer outro local. A mensagem é universal. A experiência essa, como de qualquer outro alguém, única.

Esta é a do Bruno. Quem se aproxima das imagens, talvez a descubra. Mas, por certo, só quem viveu Coimbra a reconhecerá.

Bruno Silva, (Porto), utiliza a fotografia como veículo narrativo em projectos na área da fotografia documental tendo especial interesse pelo território e a memória.
Apenas em 2017 começou a apresentar trabalhos publicamente. Nesse mesmo ano recebeu a Bolsa Emergente Fotografia Documental I.P.C.I que lhe permitiu frequentar o Master em Fotografia Artística no I.P.C.I.
Em 2020 fez parte da programação do Photo Alicante e foi selecionado para o Festival Circulations, Paris.
Em 2021 foi um dos vencedores do Urbanautica Institute Awards.
Em 2022 integrou o ciclo de exposições da Bienal de Arte Contemporânea de Cerveira e recebeu uma Menção Honrosa na Bienal de Fotografia de Vila Franca de Xira.
É representado pela Galeria Adorna, na cidade do Porto.

Uma exposição a visitar, se passar por Leiria. •

+ m|i|mo

Já recebe a Mutante por e-mail? Subscreva aqui.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.