Novo álbum: Birds are Indie

Pois que se imagine que o mundo parou. Tudo a pedido dos Birds are Indie que nos fazem chegar às mãos e ouvidos o seu novo trabalho – “Let’s pretend the world has stopped”- num alinhamento de 14 composições originais.

Apresentaram-se há dias com o single de avanço “Partners in crime” e, numa jogada ardilosa, digna de parceiros de crime diplomados, fizeram-nos cativos da música e do vídeo esgalhado por L Filipe Santos. Hoje, antes de mais adiante, ainda neste março, vos darmos a conversa que com o trio temos apalavrada, fica uma viagem pelo álbum, ouvido de fio a pavio. Sem conversas prévias, sem cutucar para tentar saber algo mais, sem ir ao processo crime para reconstrução deste novo álbum de originais, vestimos o nosso maiô, enchemos a bola de praia e metemos o álbum a rodar (indumentária que nos apetece ter após rápida inquirição, em jeito de monólogo, à imagem gráfica – belíssima – do álbum).

Estes “Partners in Crime” deixavam no ar, no single de apresentação e música que abre as hostes do novo álbum, uma promessa de assalto aos nossos ouvidos – reler aqui. A promessa foi cumprida. E não peçam para abrandar o ritmo que “I’m leaving this town“. Tudo porque o som desta pop independente, sem recorrer a manhas, (é música independente, literalmente sem figurativamente), permite-nos imaginar que o mundo pára, no tempo e no espaço, que é possível fazer dos dias “A different rhyme” e até crer que “Springtime” pode antecipar a sua chegada…

Adenda ao processo que irá a apresentação provas, brevemente, na Mutante: A primavera Indie destes Birds chega, primeiro, passo a passo no pizzicato de um violino, que se enche depois no navegar de um arco pelas suas quatro cordas e “There’s no way” que pudesse ser outro violino. Tinha de ser Susana Ribeiro, violinista de dedilhar singular, que nos remete para a Jigsaw. Esta trupe de bem-aventurados fora-da-lei sabe surpreender-nos.

Continuando neste surripiar de títulos às músicas, pelo alinhamento certo, e repetindo a receita do trabalho anterior para vos dar a conhecer um novo álbum, “Something in me” diz-me que não há dúvidas de uma maior maturidade sonora neste trio. Há uma evolução no corpo instrumental, há uma heterogeneidade que se desejava encontrar num trabalho que sucedesse, ao bem sucedido, “Love is not enough“. De música para música, “Let it show“o que vos dizemos nas composições que traçam um ritmo sinusal mais dinâmico, com um coração mais pop, mas sem perder aquela identidade pois, “The one that will remain” será, naturalmente, uma gramática que já associamos aos Birds are Indie na composição, no ditar do andamento. “On your own” – do compor, escrever,… ao gravar, produzir,… – criaram um novo cenário que nos fala do ir, do sentir, do viajar, do estar, do existir… Tudo reafirmado na lírica, onde são a indie pop com o incurável coração e o seu pulsar na mira que, “Like trains“, é mais rápido ou mais calmo, tal como o ritmo que a bitola quotidiana nos impele. Mesmo a chegar à “Finish line” deste alinhamento, há que assumir o que já vos está óbvio. A bateria é a mais notória diferença no corpo deste trabalho. É a novidade instrumental que lhes faz acelerar o batimento é o nosso “Blue glass“, que nos faz querer estar perto desta banda, ao vivo. E se quase nos indagam, subtilmente, sobre o que será o amor em “That’s love, I hope“, a nossa hope é que estes parceiros de crime nos façam conjugar “Listen” por tempo indefinido, num mundo onde nos é permitido parar para sentir.

“Let’s pretend the world has stopped” segue para os palcos, comme il faut, a cada álbum editado de bandas que já conquistaram o seu espaço. A tomar nota, as primeiras datas reveladas:
13/03, 17h00 – Fnac Coimbra (showcase).
18/03, 18h30 – Fnac Oeiras (showcase).
19/03, 22h30 – Casa Independente, Lisboa.
31/03, 21h00 – La Lata de Bombillas, Saragoça (ES).
01/04, 21h00 – Concerto Secreto, Barcelona (ES).
02/04, 21h30 – Fotomatón (+ Tiger & Milk), Madrid (ES).
08/04, 22h00 – Mercado Negro, Aveiro.
09/04, 16h00 – Fnac Braga (showcase).
09/04, 22h30 – Convento do Carmo (+ Homem em Catarse), Braga.
10/04, 16h00 – Fnac Vila Nova de Gaia (showcase).
06/05, 22h30 – Maus Hábitos, Porto.
28/05, 21h30 – Teatro Académico Gil Vicente, Coimbra.
12 a 15/08 – Bons sons, Cem Soldos. (dia a definir).

A ouvir. A ir. Bons sons nacionais. •

+ Birds are Indie
© Fotografia: Sara Quaresma Capitão.

Partilhe com os amigos:

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.