Saúde dos músicos / M.Ou.Co.

Espaço multicultural do Porto leva vários especialistas à tribuna para abordar o estado da arte na saúde física, mental e auditiva dos músicos portugueses e não só. A 15 de outubro, iniciativa termina com um concerto comentado da especialidade. Do que aqui vos falamos? Vamos lá então falar de uma área da música que muitos se esquecem… a saúde dos seus profissionais. Não se esqueça que ser músico não é um hobby, é, quase sempre, uma profissão a 100% e como todas, tem o seu desgaste.

Ergonomia e saúde, ansiedade e performance, formação musical e ensino saudável, a condição auditiva dos profissionais de música e técnicas de mindfulness na aprendizagem de instrumentos musicais são alguns dos assuntos em destaque nas 1.ª Jornadas de Música e Saúde, que têm encontro marcado com a comunidade nacional do setor para 15 de outubro próximo, a partir das 14h00, no M.Ou.Co., no Porto.

Organizado pelo Departamento de Música e Saúde deste espaço multicultural, que engloba uma unidade hoteleira com especial predileção pela cena musical, o encontro tomará pulso à realidade física, mental e auditiva dos músicos, bem como ao ensino saudável na formação de instrumentistas. Destina-se, por isso, especialmente a profissionais de música, estudantes, professores, clínicos e demais interessados pelas áreas em debate.

É um tema – ainda frequentemente – tabu. Mas, por causa da paragem profissional que a pandemia ditou a muitos artistas, e das realidades clínicas que os desconfinamentos foram revelando, a saúde dos músicos está gradualmente a sair dos bastidores e da discrição dos consultórios para ganhar importância pública.

A saúde e a longevidade dos performers no exercício de sua arte requerem não apenas a adequação dos cuidados de saúde que lhes são prestados, por profissionais que conheçam e considerem suas necessidades específicas, mas também – e talvez de forma fundamental – atenção à sua formação, para que a construção da saúde ocorra juntamente com a aquisição das habilidades necessárias à performance”, sublinha Flora Vezzá, dínamo do evento e responsável pelo Departamento de Música e Saúde do M.Ou.Co., que tem na Clínica da Performance a sua face mais visível.

Esta doutorada em Saúde Pública e especialista em Fisioterapia Preventiva e Ergonomia (orientada para o desempenho musical) assevera que o atual contexto fornece a rampa certa para o “desenvolvimento de formações orientadas para a capacitação de profissionais de saúde, mas também para a dos próprios performers em todas as suas valências: artistas profissionais e amadores, iniciantes e proficientes”.

Graças ao reconhecimento da necessidade de uma abordagem especializada e sistematizada sobre a prevenção de problemas e a promoção da saúde e bem-estar dos músicos, “assiste-se um pouco por todo o mundo ao desenvolvimento de várias redes de conservatórios e escolas de música e artes voltadas para o ensino saudável”, lembra Flora Vezzá.

Para fazer o diagnóstico da especialidade e apontar caminhos, em Portugal, as 1.ª Jornadas de Música e Saúde do M.Ou.Co. reúnem um lote de profissionais com trabalho profícuo no atendimento de artistas e em diversos domínios (fisioterapia, ergonomia, audiologia, psicologia e musicologia), entre os quais pós-graduandos da Universidade de Aveiro, bem como professores da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo e da Católica do Porto.

A excelência requer do artista dedicação, prática constante e a capacidade física para a recriação do gesto a cada performance, enuncia Flora Vezzá, enfatizando que, “quando um problema de saúde afeta o seu desempenho, o apoio de profissionais que estejam cientes das exigências da sua atividade é fundamental”.  O que significa que abordagens especializadas que ofereçam técnicas de tratamento e recomendações adequadas às habilidades tão especiais desenvolvidas na performance podem ser a diferença entre uma recuperação plena e rápida, com retorno ao nível de desempenho anterior. Ou dificuldades e prejuízos no desempenho a médio e longo prazo.

A jornada, que ocupa toda a tarde (ver programa no link no final desta nota) de 15 de outubro, termina com um concerto comentado da especialidade, às 19h00.

M.Ou.Co. é o acrónimo de Música e Outras Coisas. Localizado no coração da cidade Invicta, mais precisamente na zona do Bonfim, este é o primeiro hotel do País com um conceito multidisciplinar e assumidamente dirigido para o mundo musical. Com 41 estúdios e 21 quartos (repletos de evocações artísticas), restaurante, bar, piscina, esplanada e jardins, o complexo ocupa um total de cerca de cinco mil metros quadrados e assume-se como um espaço cultural de eleição. Para dar expressão máxima àquele que é o seu claim – “Stay. Listen. Play” -, o M.Ou.Co. dispõe de uma sala de concertos, três salas de ensaios, uma musicoteca, um espaço de saúde e bem-estar do músico e… uma infinidade de pormenores distintivos que convidam a uma descoberta prolongada e a uma experiência hoteleira repleta de sentido(s). O espaço aposta numa programação própria, que dá destaque a projetos musicais de relevo, tanto nacionais como internacionais. Tal como uma banda sonora, todos os seus cantos e recantos respiram histórias. E os animais também são bem-vindos.

Uma jornada a ter na agenda de músicos e não só. •

+ M.Ou.Co
+ M.Ou.Co Jornada de Música e Saúde – Programa
© Fotografia: M.Ou.Co, DR.

Já recebe a Mutante por e-mail? Subscreva aqui.