O design e a tecnologia convertidos num futuro que é presente

Lexus IS 300h é o nome que se segue no alinhamento dos ensaios de motores a quatro rodas, desta vez com destino a terras algarvias, traduzindo-se numa viagem primada pela estabilidade, pela aderência e pelo conforto num carro que se quer amigo do ambiente.

O Vila Vita Parc, Resort & Spa, em Porches, no concelho de Lagoa, foi o primeiro destino de um itinerário gastronómico – seguido pelo Conrad, em Almancil, e o Anantara, em Vilamoura – a bordo de um Lexus IS 300h, “o modelo mais representativo” da marca nipónica, informou Miguel Finisterra, director-geral da Lexus Portugal, modelo híbrido nascido em 1999 e que, hoje, representa a 3.ª geração demarcada pelas alterações no exterior, assim como nos interiores.

Na condução, o IS 300h denotou precisão ao longo da viagem e uma capacidade de resposta que se destacou pela positiva, quer nas travagens, quer nos momentos da aceleração. A somar a ambas está o silêncio, característica atribuídas, segundo a marca, “à aerodinâmica avançada” da parte dianteira cujas semelhanças estão associadas à carroçaria dos automóveis de F1. Finalidade? Cortar o ar e, como consequência, reduzir o consumo de combustível – são 4,3 l / 100 km, de acordo com o estacionário – e, em simultâneo, o ruído do vento.

Por outro lado, é de enaltecer estabilidade durante a condução e a aderência nas curvas, tendo a viagem sido feita pelo IC2 sempre na opção Normal. Já o modo Eco é recomendado no trânsito, como o da EN 125, com o propósito de poupar ainda mais no combustível, matéria que nos remete para a garantia de dez anos da bateria deste modelo da marca japonesa “quando as revisões são feitas na Lexus”, acrescentou-se aquando da apresentação do mesmo em Cascais. Somemos, aqui, as emissões de CO2 de 99 gr / km, número que se traduz no constante respeito pelo ambiente.

Sublinhe-se, ainda, a segurança que, no novo IS tem disponível o Lexus Safety System, um sistema de segurança de pré-colisão que pode chegar a aumentar a pressão nos travões; o sistema de aviso de mudança de faixa de rodagem que, mediante uma distracção do condutor, acciona um alarme de aviso, corrigindo a direcção ou LDA; um outro, que baixa os máximos aquando da aproximação de outros veículos ou RSA; e o monitor de ângulos mortos, imprescindíveis, para evitar acidentes.

No design é de salientar a grelha frontal, a qual confere um carácter mais desportivo ao carro, assim como a estética dos faróis dianteiros e traseiros, e os interiores cuja produção é supervisionada pelos mestres artesãos Takumi. Antes de mais, há que realçar o conforto, aposta crescente da Lexus que, no IS 300h foi bem notória, quer em espaço, quer graças à ergonomia dos bancos. Por sua vez, a cobertura do painel dos instrumentos e os materiais cortados a laser – inserções fabricada pelos artesãos de outro ícon nipónico, a Yamaha – elevam a minúcia ao um elevado nível de exigência que confirma a cultura dos japoneses.

Uma súmula de boas razões para que a viagem tivesse decorrido, sobretudo, em segurança e conforto, requisitos a ter no Business, no Executiv e no Executiv+, no F Sport e no F Sport+ do IS 300h da Lexus.

Boa viagem! •

+ Lexus
© Fotografia: João Pedro Rato

Já recebe a Mutante por e-mail? Subscreva aqui.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.