EXPERIENCE, PORTUGAL, TRAVEL 0

Entre a intemporalidade e a Natureza intocável / Monte do Freixo Poente

É, antes de mais, um refúgio campestre provido de conforto e privacidade, delineado pela mais serena planície alentejana, onde os ponteiros do relógio quase deixam de contar. Eis a essência do L’And Retreats, a mais recente aposta do L’And Vineyards.

Outrora tecto de três famílias, o edifício branco é, hoje, uma casa ampla, espaçosa, minimalista, desprovida de curvas. Nela foram preservadas a forma rectangular, as telhas originais e o chão de ladrilho de barro de São Pedro do Corval, olaria e fábrica de tijolos de Reguengos de Monsaraz. Nela sente-se conforto, tranquilidade e a particularidade de que o luxo está presente, quer dentro, quer fora das quatro paredes deste refúgio rodeado pela paisagem predominada pelo verde que, nesta altura do ano, é salpicada de flores campestres, como manda a cartilha primaveril. O montado, o olival e os pinheiros mansos completam o cenário idílico circundante ao Monte do Freixo Poente, em Montemor-o-Novo, no distrito de Évora.

A implementação deste novo projecto foi feita por José Cunhal Sendim, CEO do L’Ands Resort, como resposta às novas tendências do turismo definidas pela sobriedade do luxo, bem como pela genuinidade de uma região. Ou seja, o Monte do Freixo Poente é o primeiro passo para a nova etapa do já muito famoso L’And Vineyards, o L’And Retreats, conceito associado a retiros integrados na Natureza primados pela exclusividade e pelos serviços com a assinatura L’And. Mas já lá iremos…

A tipicidade de uma região numa só casa

A entrada abre-se para a sala e a cozinha. De um lado, os sofás “vestidos” de cru dispõem, cada um, de uma manta típica de Monsaraz. Pelo chão, os tapetes de lã de ovelha ostentam padrões que reflectem a inspiração nas capas dos pastores alentejanos. 

A simplicidade das peças de mobiliário de madeira quase dispensam de decoração, salvo a boneca de barro de Estremoz, disposta no canto do aparador da sala. Três exemplos do respeito que José Cunhal Sendim tem pelo património da região, sobretudo por artesãos locais, que se cruza com a contemporaneidade do detalhe.

Soma-se os livros de design empilhados na mesa de apoio e arrumados na estante de madeira, compartilhando o espaço com discos de vinil, onde a música clássica de Bach se mistura com sonoridade de velhos tempos igualmente intemporais. Momentos que convidam a pôr a leitura e as conversas em dia acompanhadas de um copo de vinho.

Os sabores do Alentejo à mesa

A enorme mesa é posta com desvelo pelas mãos de Susana Cigarro. A chef está ao serviço do L’And, com o propósito de proporcionar uma refeição aos hóspedes do Monte do Freixo Poente que queiram fazer gazeta à feitura do almoço ou do jantar (€65 por pessoa com vinhos incluídos). Com as voltas que a vida dá, Susana Cigarro trocou o Design Gráfico pela cozinha da Le Cordon Bleu de Londres, de onde trouxe a subtileza do saber-fazer para a mesa. No meio desta, é colocada a tábua com pão alentejano, queijos regionais comprados no mercado municipal de Montemor-o-Novo e enchidos da do fumeiro da D. Octávia, em Cano, no concelho de Sousel, distrito de Portalegre, para petiscar antes de se dar início ao repasto. Nos tachos estão os produtos da época, entre outros cujos produtores faz questão de conhecer, sem esquecer as ervas aromáticas colhidas na horta comunitária do pai. 

O desafio é, como já se adivinha, confeccionar uma refeição alentejana. 

Apesar de utilizar a técnica apreendida na famosa escola francesa de gastronomia, os sabores da cozinha da região em nada saem desvirtuados. No fundo, Susana Cigaro quer “mostrar o que se come e o que se tem por cá”, seja os turistas de dentro de portas, sejam eles estrangeiros. Ou pode dar-se o caso de os hóspedes quererem um menu vegan. “As pessoas sonham e eu só tenho de concretizar esse sonho”, afirma.

Para quem gosta de “pôr a mão na massa”

Uma vez que a cozinha está equipada com tudo o que é necessário no dia-a-dia, quem gosta de cozinhar pode usufruir da cozinha, para proporcionar refeições em família ou com os amigos, como só as pausas prolongadas e os domingos, muitas vezes, o permitem. Ou, quem sabe, alguém descobre que possui dotes de cozinheiro sem ter dado por isso…

Aos que preferem produtos biológicos, há a opção de os encomendar, previamente, à Herdade do Freixo do Meio, sendo aqueles entregues, depois, em casa.

Em contrapartida, o dia começa sempre com um pequeno-almoço acabado de fazer, uma vez que este serviço está incluído no preço da estadia. Para começar às 8 horas ou às 10 horas, a primeira refeição da manhã é levada numa cesta de vime com pão alentejano fresco, queijos e enchidos, compotas e doces caseiros, mel, ovos, granola, bolos de pastelaria em miniatura, fruta da época e sumo de laranja natural. Há ainda leite, manteiga e iogurtes.

Para os mais preguiçosos, é possível solicitar a ida do chef à casa, a fim de preparar o pequeno-almoço (sem custo adicional).

Actividades mil todo o ano

Tudo isto é possível num lugar primado pela sempre tão desejada calma, onde a Natureza ganha protagonismo e a partilha é feita sem condicionalismos. Espaço não falta para as crianças poderem correr e brincar livremente junto ao terraço contíguo à casa, convidativo nos dias soalheiros e nas noites quentes de estio, sem esquecer o pôr-do-sol… Aproveite para pedalar na bicicleta e refrescar-se na piscina exterior sempre que o calor apertar. Nos dias mais frios, rume ao L’And Vineyards, com a finalidade de usufruir da piscina interior e, porque não, do L’And Spa Vinothérapie.

Para os mais irrequietos, há workshops à disposição. Tanto miúdos como graúdos têm a oportunidade de aprender a amassar o pão, a fazer peças de cortiça ou até os enchidos alentejanos na referida Herdade do Freixo do Meio mediante reserva.

Visitas a adegas, provas vínicas, passeios de balão e de cavalo também constam na lista das iniciativas organizadas pelo L’And Vineyards para os hóspedes do Monte do Freixo Poente. Além das actividades que decorrem no próprio hotel, como a Tertúlia L’And.

Em jeito de conclusão, por aqui o tempo perde-se no próprio tempo e a palavra luxo parece tomar um novo rumo, o da disponibilidade de partilhar bons momentos ou, simplesmente, o da calmaria da Natureza, isto é, o da essência de tudo. 

Afinal, ainda há paraísos escondidos pelo país. É ir e voltar!

+ Monte do Freixo Poente
© Fotografia: João Pedro Rato

Já recebe a Mutante por e-mail? Subscreva aqui.

You Might Also Like

No Comments

Leave a reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.