Food Safari pela ilha da Madeira / Chefs Benoît Sinthon e Ljubomir Stanisic

Muitos foram os quilómetros que “papámos” na Madeira, numa espécie de homenagem à gastronomia da ilha. Os protagonistas? Os chefs Benoît Sinthon e Ljubomir Stanisic. Aqui fica o convite para embarcar neste food safari.

Depois da noite marcada pelo kitchen alive, a 13 de março, pelas mãos de Joachim Koerper (Eleven, Lisboa / 1 estrela Michelin), João Rodrigues (Feitoria, Lisboa, 1 Estrela Michelin), Olivier Barbarin (Châteaux d’Audrieu, em Audrieu, no norte de França / 1 estrela Michelin), Davy Tissot (Les Terrasses de Lyon, Lyon, França / 1 estrela Michelin), Paulo Morais (Umai, Lisboa), Ljubomir Stanisic (100 Maneiras, Lisboa), Albano Lourenço (Arcadas, Coimbra), Fabian Nguyen (Ritz Four Seasons, Lisboa), Miguel Gameiro (escola Alain Ducasse) e Rui Martins (Cook Avec Moi, consultor), a convite do chef Benoît Sinthon, à frente da cozinha do Il Gallo d’Oro (1 estrela Michelin), o célebre restaurante do hotel The Cliff Bay, no Funchal, e de António Trindade, presidente e CEO do grupo Porto Bay, chega a vez do roteiro de sabores da ilha da Madeira, com o food safari, no dia que se seguiu, no âmbito do programa da Rota das Estrelas 2015, no Il Gallo d’Oro.

A baía do Funchal registada no miradouro do Pináculo

Selvagem e única pela diversidade de produtos provenientes dos pomares, dos talhões agrícolas, das montanhas e dos socalcos que as contornam, e do imenso oceano, a “pérola do Atlântico”, pela qual Benoît Sinthon se apaixonou há duas décadas e à qual dedicou um livro intitulado “Madeira by Chef Benoît Sinthon”. Um convite para partir à descoberta dos produtos autóctones elevados, a posteriori, à alta gastronomia, e o mote para fazer o food safari, ao qual aderiram cerca de cinco dezenas de pessoas, sobretudo turistas que, à porta do The Clif Bay, aguardavam, ansiosos, por conhecer a cozinha madeirense. Pura e dura. Desta feita sem reinterpretações nem representações no prato. Apenas o sabor genuíno de cada produto. E sem pratos nem talher.

Depois de embarcarmos nos jipes, que nos transportaram ao longo de duas mãos cheias – ou mais, caso houvesse – de quilómetros pela ilha da Madeira, a primeira paragem aconteceu no miradouro do Pináculo com uma altitude de 283 metros acima do nível do mar e de onde se avista a baía do Funchal, o cartão de visita da “pérola do Atlântico”.

A paisagem agreste, mas deslumbrante, do miradouro Ponta do Rosto

Pé na estrada, com a devida cautela, e lá fomos nós até ao miradouro Ponta do Rosto, no Caniçal, na costa norte da ilha da Madeira, onde a vista alcança o infinito traçado pela linha do horizonte do oceano. Vamos a um brinde!

Do mar para o prato

Os chefs Benoît Sinthon e Ljubomir Stanisic a preparar o repasto com a praia e o mar a servir de cenário

Próximo destino: Prainha. No areal, à nossa espera, estão os chefs Benoît Sinthon e Ljubomir Stanisic que grelhavam, com afinco e “sem espinhas”, numa grelha a sério, o polvo, para fazer o típico “à lagareiro”, salteavam as lapas, com savoir-faire, e colocavam o pão barrado de manteiga de alho e salsa, para fazerem o bolo do caco, uma das iguarias da cozinha da ilha.

Entretanto, as algas, apanhadas de manhã, eram degustadas, primeiro, com estranheza, mas depois, com o consentimento do palato, até chegar a vez das castanhetas, tão comuns na gastronomia madeirense, e os ouriços, que um mergulhador ia trazendo do mar para o repasto em plena praia, com o Atlântico mesmo em frente, apreciado pelos comensais que, aqui e ali, brindavam com néctares de Baco ao som da banda Artistas Funchalenses.

De novo nos jipes, continuámos viagem, desta vez em direção à serra, com paragem para matar a sede – e a saudade – de uma poncha e, mais tarde, no Porto Bay Serra Golf que, um pequeno hotel de charme, cuja casa principal data de 1920, rodeado por uma imensidão de subespécies e variedades de plantas e flores que compõem o jardim rodeado de árvores, num lugar agraciado pelo silêncio acolhedor da natureza.

Pormenor do interior do restaurante Tia Anica, do Porto Bay Serra Golf, e o repasto ao ar livre, com a cozinha da terra da ilha da Madeira no menu do fim da tarde

Depois do cocktail de boas-vindas, caminhamos até ao último repasto, ao fim da tarde, ao ar livre, bem perto do boutique hotel do grupo Porto Bay, onde a cozinha da terra foi o prato forte, como a sopa de trigo com carne de porco, a vitela assada e a batata doce ou a mousse de maracujá e o requeijão, que acalentaram o paladar dos presentes que aceitaram o desafio de entrar neste roteiro pelos sabores da ilha da Madeira que bem poderia servir de mote para o chef Ljubomir Stanisic “papar” quilómetros numa viagem pela gastronomia madeirense.

A propósito, há quanto tempo não vai à Madeira? •

+ Rota das Estrelas
+ The Cliff Bay
© Fotografia: Henrique Seruca e Patrícia Serrado

Para partilhar com os amigos

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.